Reinos de Celúria #2 – Platônia

Platonia 3

“Dizem, em um arguido bradado por homens de caráter néscio, que nós, platoninos, somos contra a edificação da paz, da família e de deus. Essa confusão, sem dúvida, é causada pelo Culto da Ignorância Increpante e Adejante. Pelos adestradores que governam a nação com o auxílio das aves enxeridas, não nos restando escolha a não ser sussurrar ideais e lembranças de liberdade.”

– Abel Utri. “Um pássaro me contou

Breve História: os platoninos fugiram de Artemia juntamente com os euróques. As duas nações sempre foram muito unidas e a Platônia mantinha essa amizade através de acordos de mineração, produção científica, artística e religiosa, entre outras coisas. Ao chegar em Celúria, as duas nações se afastaram por um tempo, mas depois refizeram seus laços.

A Platônia situa-se ao sudoeste da ilha sul, vizinha da Euróquia. Sua região, de todos os reinos e nações de Celúria, é a mais afetada por anomalias mágicas. Dentro da nação, há a área do pó, região destruída pela destruição da coroa de Virat.

Apesar de muito afetada, a Platônia ainda possui muitos campos férteis e áreas montanhosas com grandes cachoeiras.

Cultura: os platoninos são baixos em geral, mas dotados de uma inteligência acima da média. Todos os governadores platoninos estimam bastante a leitura e as artes, de forma que é muito difícil encontrar um platonino analfabeto, e os maiores artistas do continente saem dessa nação.

TutorAs escolas são obrigatórias para toda criança dos 6 aos 12 anos. Depois disso, o jovem platonino é finalmente reconhecido como cidadão e está livre para usufruir de uma série de direitos, entre eles: votar, entrar no exército, fundar um negócio, ter direito a um julgamento, etc.

A escola ensina coisas como história, artes, biologia, alquimia básica, serviços manuais e luta corporal. Ainda há uma universidade para o ensino de áreas aplicadas, como medicina, vigores, poções, história lógica, pintura, etc. Para entrar na universidade, o indivíduo deverá ser adotado como aluno por um professor da matéria. Fica ao encargo do professor oferecer um teste ou não para adotar alguém como aluno. Cada professor poderá adotar até 10 alunos por ano.

Poder Militar: o exército platonino é pequeno, e é reforçado por guildas mercenárias estrangeiras ou tropas euroquianas alugadas. Porém, as cidades platoninas são muito bem guarnecidas pelas Aves Vigilantes, um grupo misterioso, composto por integrantes trajados de negro com máscaras em formato de pássaros diversos. Há uma outra alcunha para esses homens, um apelido usado por estrangeiros e até mesmo por cidadãos platoninos. Essas pessoas os identificam como Sussurradores.

Política: a política da nação é bastante democrática. Há eleições para escolher um representante do povo. Cada cidade e vila platonina possuí um representante, e a capital, 3. Cada representante possuí até 4 conselheiros. Pelo menos uma vez por mês, eles se reúnem para discutir sobre as leis, a política e economia do reino. Qualquer um reconhecido como cidadão platonino pode se candidatar a representante, inclusive mulheres.

ritualReligião: em Platônia, há uma grande liberdade religiosa e política. Diversos pensadores, profetas, grupos de debate e sociedades se reúnem em praças ou prédios para discutir. Sociedades secretas, cultos e religiões são formadas pelo mais diversos tipos de pessoas. Nenhuma raça sofre preconceito abertamente.

Economia: a Platônia move sua economia com pesquisas, produção alquímica, esculturas, pinturas e toda forma de produção artística e científica. Possuem boa agricultura, além de possuírem muitas vinícolas e poços de curtume. Também ganham dinheiro educando estrangeiros.


Principais Organizações:

 – Anti-Antarianos: nasceram de um grupo de pensadores e historiadores insatisfeitos com a atual doutrina da igreja antariana. Eles pregam que o livro de Antares tem muitas incoerências e mentiras. Ultimamente, o grupo tem assumido uma posição radicalista, causando vandalismo em território torlosiano, quebrando estátuas e queimando qualquer coisa que remeta a doutrina antariana.

A CorujaCulto da Razão: o mais famoso culto de Platônia, que nasceu de uma sociedade secreta, ficou famoso depois dos eventos dos assassinatos do congresso e da Mesa Oculta. Seu líder é desconhecido, apenas referenciado como “A Coruja”, mas dizem que possui grande poder e influência política, a ponto de influenciar as eleições dos representantes do povo e decisões feitas por eles. Esse culto preza pelo raciocínio crítico e lógico, por tudo o que é real e pode ser provado. Não é possível entrar no Culto da Razão de modo convencional, sendo necessário um convite para fazer parte dos membros, que em sua maioria são anônimos. Alguns dizem que o culto é uma mancha na “liberdade de pensamento” que é tão ostensivamente alardeada por Platônia.

Culto Liberto: é um grupo revolucionário que clamam por a libertação das, segundo eles, correntes invisíveis que o Culto da Razão instituiu em Platônia. Eles lutam contra os Sussurradores e tentam desvendar a identidade dos integrantes do Culto da Razão. Muito dos membros do Culto Liberto são pessoas normais e algumas poucas da elite.

O Conselho Alvo: um grupo de grandes alquimistas do reino que fazem reuniões abertas para discutir sobre o uso de vigores e sobre magia em geral. Eles costumam focar suas discussões na moderação do uso dos vigores. Esses mesmo alquimistas são responsáveis por gerenciar a extração dos vigores na Área Neutra.

ImortaisOs Imortais: uma sociedade secreta, sabe-se muito pouco sobre ela e seu nome verdadeiro, mas referem-se a eles como Imortais. Dizem que é composto apenas por alquimistas que descobriram o segredo da vida eterna e, por isso, são imortais.

O Corpo de Balthazar: são um grupo de alquimistas que dedicam-se aos ensinamentos do alquimista Balthazar, um dos maiores sábios de todos os tempos. Dizem que suas descobertas fantásticas estão relatadas em símbolos tatuados por todo seu corpo, que mesmo após centenas de anos após sua morte, não apodreceu. Por isso, muitas vezes os alquimistas consideram o Corpo de Balthazar como uma religião. Apenas os membros mais antigos ou valorosos possuem acesso aos segredos que Balthazar sabia.

A Coroa Partida: um grupo de guerreiros e estudiosos dedicados a combater as aberrações mágicas. Os pesquisadores estudam as aberrações vivas, naturais e todo tipo de corrupção que a magia pode causar, os guerreiros dedicam-se a combater essas corrupções.

Sábios de Mordecai: alquimistas que aliam seus conhecimentos e capacidade física de receber vigores aos ensinamentos profanos de Mordecai. Com isso, eles são capazes de criar os chamados homúnculos, criaturas horrorosas, sem controle, nascidas das emoções de seu criador e partes diferentes de criaturas mortas. São vistos com maus olhos pela sociedade, embora não sejam caçados em território platonino.

Sussurro 4Sussurradores: são conhecidos oficialmente como Aves Vigilantes, mas o povo costuma chamá-los de Sussurradores. Eles trajam negro e utilizam uma máscara feita de bronze no formato do rosto de uma ave qualquer. Dizem que se você se aproximar de um Sussurrador, irá ouvi-lo sussurrar continuamente qualquer coisa muito difícil de se identificar. Esse apelido também vem da habilidade dos Sussurradores de conter badernas em geral com apenas uma conversa privada. Há rumores de que eles são guardas treinados pelo Culto da Razão.


Nomes Famosos:

A Coruja: é como é conhecido o líder do Culto da Razão. Ninguém sabe qual é sua aparência, nem mesmo os participantes da Mesa Oculta.

BalthazarBalthazar: um alquimista que viveu durante a Era da Retidão. Dizem que ele foi o primeiro alquimista e também o mais sábio de todos. Era muito esquecido, por isso, tatuava em forma de símbolos o seu corpo com conhecimentos extraordinários recém descobertos. Seu poder era tanto, que dizem que ele bebeu diretamente do sangue de Arthas. Após sua morte, o corpo de Balthazar não apodreceu nem um pouco, mas continuou envelhecendo. Os cabelos e a barba continuaram crescendo, assim como suas unhas. Muitos são os segredos que guarda o corpo do maior alquimista de todos, mas poucos são os que tem acesso a eles.

Belardo: um renomado alquimista que condenou toda uma cidade ao realizar experiências com uma anomalia arcana situada nas redondezas. Os habitantes simplesmente tornaram-se aberrações grotescas, algumas pessoas se fundiram a objetos e as casas. A cidade desapareceu, mas costuma reaparecer algumas vezes, durante alguns minutos. Algumas aberrações da cidade costumam escapar dela quando isso acontece.

MardukMarduk: as histórias dizem que foi o mais perfeito homúnculo criado. Mesmo feito de partes diferentes de seres humanos, ele parecia perfeitamente com um, porém, era instável, violento e um devorador de carne insaciável. É dito que Marduk absorvia os conhecimentos e habilidades das pessoas que ele devorava, e que após ter devorado seu criador, ele criou outros iguais. Porém, ele foi morto há mais de uma centena de anos por um grupo de aventureiros. Ainda assim, os pais contam as histórias sobre as crias de Marduk, apenas para assustar seus filhos.

Tâmisa: líder e fundadora do Culto Liberto. Professora de História Lógica que ficou revoltada com a atuação repressiva dos Sussurradores no evento conhecido como “A Longa Noite Platonina”. Desde então ela largou a vida de tutora e passou a lutar contra o Culto da Razão, inicialmente de forma pacífica, mas cada vez mais as ações do Culto Liberto vem se tornando violentas. Tâmisa tornou-se uma inimiga do estado, e há uma recompensa por sua captura.


Acompanhe o cenário através do índice ou da página do facebook. Até a próxima!

Anúncios

Um comentário sobre “Reinos de Celúria #2 – Platônia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s