Diário Holográfico 1.0 – Dias Selvagens

Cyberpunk 4

“Bem-vindo ao meu cafofo, cara. Pode se servir dessa Coca Classic. Esse lugar me custou alguns milhares de créditos e muita XP. A bebida estava boa? Claro que sim. A vantagem da Realidade Virtual é que a Coca sempre está gelada e com gás”.

Pryan, investigador mercenário.

Esta história se passa em um universo Cyberpunk, onde tudo é descartável e nada é real e barato. Atualize seu TAP e seu projetor holográfico, carregue o modo em tela cheia e desative essas malditas notificações do TapText. Presta atenção!

Sistema: Savage Worlds + Interface Zero 2.0

Jogadores:

Franklin Johnson: conhecido na Realidade Virtual como Cromo_Cop. Frank é policial, e como de costume no Setor 14, é do tipo que aceita uma grana pra fazer alguns trabalhos não oficiais. É o que acontece quando ex-militares vão trabalhar na polícia. A diferença de salário é alta. Já te contei que ele é um Ciborgue? O cara tem uma fixação bizarra em se polir, dá pra vê-lo chegar de longe. Mas não se engane, ele não tem medo de se sujar. Não é muito difícil vê-lo pelas quebradas salpicado de sangue. Eu não perguntaria o porquê, se fosse você.

John Pierre Baptist: se fizessem um filme sobre esse cara, teria o título de “O Lobisomem Francês na América”. O cara é um híbrido, criado em laboratório para ser metade homem, metade lobo. Peripécias do exército. É amigo de Frank, serviram juntos. É, apesar do nome, John é americano, apenas seus pais são franceses. A propósito, ele esconde alguma coisa sobre sua família, fica irritado quando perguntam sobre ela. Eu prefiro ficar na minha e manter minhas tripas dentro do meu corpo, valeu?

“Dr.” Nick Riviera: acho que esse nem é o nome verdadeiro dele, mas você tem que concordar comigo, o cara é uma peça única. Misture um curso de medicina feito por correspondência, cocaína e a total ignorância do significado da palavra “ética”. Ai está o cara que vai remover essa bala do seu corpo, e alguns órgãos, caso você não verifique se está tudo em ordem.

Ryodo Yukine: foi difícil achar o nome desse aqui, geralmente ele se apresenta na RV como “The Another”. Sim, ele é um hacker. Não, ele não é muito corajoso, mas tem um bom coração. Apenas mantenha seu TAP protegido. Não vai querer esse japonês xeretando nas suas mensagens.

Continuar lendo

Anúncios

O Chamado de Chernobyl #2 – Crepúsculo Radioativo

STALKER_lonerApós ter sobrevivido ao tiroteio na oficina mecânica, o Homem Marcado aprende que achar Strelok será uma tarefa mais difícil do que imaginara. Em busca de seu objetivo, ele viaja pelas entranhas da Zona, encontrando o desconhecido e tentando entender mais sobre si mesmo.

Estes contos são baseados na minha experiência com o jogo S.T.A.L.K.E.R.: Shadow of Chernobyl.

Mods utilizados:

Autumn Aurora 2 (Thanatos Touch) 2.1

Boa viagem, S.T.A.L.K.E.R.! Continuar lendo

O Chamado de Chernobyl #1 – O Homem Marcado

Stalker

Nesta nova série de contos, descreverei minha jornada nos arredores de Chernobyl, no jogo S.T.A.L.K.E.R.: Shadow of Chernobyl. Um excelente jogo para PC, lançado em 2007 e desde então amado por muitos que revisitam a Zona através de inúmeros mods lançados. Estou refazendo o jogo do zero, portanto, acompanharemos todos os perigos vivenciados pelo Marked One.

Infelizmente, a resolução que estou usando para rodar o jogo não é das melhores, mas é o que meu monitor atual pode proporcionar.

Mods utilizados:

Autumn Aurora 2 (Thanatos Touch) 2.1

Aproveite a jornada!

2015-01-24_00001A Zona me chama, e eu devo segui-la.

Acordei num porão escuro, mal iluminado por uma lâmpada que dava forma ás paredes de tijolos, a cama improvisada e ao chão de madeira. Meu corpo tremia e implorava pelo total repouso, mas eu tinha que sair dali. De alguma forma, eu sabia disso.

Merda, eu não sabia meu próprio nome, nem de onde vim.

Mas sabia que estava na Zona. Sabia que tinha que matar Strelok. Continuar lendo

O diário de Argos Lockard #1 – Primeiro Dia

Gunslinger

Sistema: GURPS 4ª Edição – Ambientação Low Steampunk

Personagens:

– Argos Lockard (75 pontos; “Ladrão Atirador”)

– Beric Lockard (75 pontos; “Paladino”)

– Thorny (75 pontos; “Guerreiro”)

– Hundel Rauls Cody (75 pontos; “Mago”)

– Alastor Fletcher (75 pontos; “Clérigo”)


Meu nome é Argos Lockard.

E eu me sinto um idiota escrevendo aqui.

Este é o meu diário, onde escreverei coisas interessantes do meu dia. Talvez virem canções, huh?

Comprei esse diário achando que era um livro erótico ilustrado. Um Hafling me vendeu no distrito sub-transital em Newsforge. Dei as moedas antes de visualizar todo o conteúdo, então o ladrãozinho começou a correr. Apenas as primeiras páginas possuem ilustrações e um texto nada convincente. O restante está em branco.

Beric riu de mim por isso.

A capa é feita de couro e coberta com veludo púrpura. No centro, em alto relevo, há a forma de uma mulher esbelta, com coxas grossas, uma perna esticada e a outra com o joelho dobrado. Ambas as pernas bem separadas, um convite a entrada. Como eu iria imaginar que por baixo daquele conteúdo não existia mais 100 páginas de profanidades e perversões? Continuar lendo